Vamos conversar?
+1 438 600 0063

por Alexandre Johnson-Chalifour
9 abril 2023

5 limitações da tradução de máquina automática que você precisa conhecer

Com o chatbot ChatGPT virando notícia ao passar para a faculdade de Direito e quase ser aprovado na residência médica nos EUA, não dá mais para negar que a inteligência artificial (IA) é capaz de gerar resultados impressionantes. A tradução de máquina automática avançou consideravelmente nos últimos anos, sendo hoje uma ferramenta disruptiva obrigatória que já foi incorporada à rotina de trabalho da maioria dos tradutores. Para que as suas habilidades continuem se destacando nesta era de avanço tecnológico sem precedentes, os profissionais da tradução precisam se familiarizar com o maior número possível de recursos dos sistemas de redes neurais artificiais (ou “redes neurais”), aprendizagem da máquina e  inteligência artificial, mas principalmente com as limitações desses sistemas.

Vamos dar uma olhada em cinco limitações dessas tecnologias e algumas estratégias que tradutores e tradutoras podem adotar para evitar surpresas desagradáveis.

Sensibilidade à flor da pele

Ao se deparar com elementos que parecem muito semelhantes ao olho humano, as redes neurais costumam gerar diferentes interpretações. Por exemplo, pesquisadores já demonstraram que, quando um sistema que usa essa tecnologia precisa identificar o conteúdo de uma imagem,  é possível mudar a resposta do sistema alterando um único pixel. Assim, frases praticamente idênticas podem gerar traduções diferentes.

Recomendação: preste muita atenção a pequenas diferenças entre as sugestões da máquina em segmentos com uma correspondência alta para que o seu texto na tradução seja consistente com o original.

Vieses humanos

Você pode achar que a inteligência artificial não tem viés, mas o fato de ela trabalhar com dados significa justamente que o seu aprendizado é influenciado por vários deles. Em 2019, pesquisadores descobriram que um dos algoritmos usados pelo governo dos EUA para identificar pacientes com mais chances de precisar de terapia intensiva tinha um  viés racial. O sistema da inteligência artificial considerava as despesas médicas de cada paciente para avaliar o seu nível de risco. Isso fez com que a IA concluísse que pessoas negras representavam um grupo de risco menor porque gastavam menos com assistência médica. A conclusão era absolutamente errada, pois se baseou em dados que expressavam um problema sistêmico de acesso ao sistema de saúde por uma demografia menos favorecida financeiramente.

Sistemas de inteligência artificial também podem apresentar um viés relacionado aos recursos colocados à sua disposição. Isso ocorre porque a tendência da máquina é entender o que ela aprende como representativo da realidade, o que geralmente não é o caso quando a amostragem é pequena.

Recomendação: revise as frases geradas por tradução automática com muito cuidado para garantir que a máquina não acrescentou qualquer viés humano indesejado que possa ter sido incorporado durante o processo de aprendizagem da máquina.

Raciocínio nebuloso

As ciências da computação ainda são um mistério para muitos, mas a inteligência artificial consegue confundir até mesmo especialistas no assunto. Ela funciona bem muitas vezes, mas não é raro ficarmos sem entender exatamente o processo por trás de cada decisão.

Recomendação: Sempre verifique cada segmento traduzido por um sistema de inteligência artificial, não importa o quão bom ele seja. Não dá para saber como esse sistema chegou a essa tradução.

Incerteza inerente

Como sistemas de inteligência artificial trabalham com probabilidade, é de se esperar que alguns de seus palpites não sejam muito precisos. E não é só isso: a máquina às vezes atribui um alto grau de confiança aos resultados mais absurdamente imprecisos. Essa limitação com potencial catastrófico é o que ainda impede uma implementação em larga escala da inteligência artificial em contextos nos quais a segurança é imprescindível, como na medicina e em veículos autônomos.

Recomendação: invista em uma das maiores virtudes dos profissionais da tradução: o bom senso. Quando houver espaço para interpretação, avalie se a máquina entendeu corretamente o texto original e faça as alterações necessárias ou acrescente as devidas nuances à tradução. Se o sistema de inteligência artificial estiver configurado para continuar aprendendo, vai incorporar o seu feedback dali em diante.

Habilidades matemáticas questionáveis

Ao contrário da computação tradicional, a inteligência artificial não é muito boa em matemática, o que pode ser uma surpresa para muitos de nós. Os pesquisadores não sabem exatamente o porquê, já que a inteligência artificial costuma resolver a maior parte dos problemas desde que conte com um volume suficiente de dados e recursos para respaldar seu aprendizado. Infelizmente, a matemática parece ser uma exceção a essa regra.

Recomendação: redobre os cuidados com qualquer tradução de um sistema de inteligência artificial envolvendo matemática, inclusive valores, números e cálculos. O risco de erro é bem grande!

Esperamos que você aproveite estas cinco dicas ao máximo ao trabalhar com máquinas de tradução automática. Para ler mais artigos interessantes sobre o uso de inteligência artificial na tradução, confira:

Quando usar tradução de máquina automática

Treinamento de chatbots: um novo tipo de serviço linguístico

Fale conosco para fazer parte da nossa equipe como funcionário(a) ou freelancer ou se estiver à procura de um fornecedor de serviços linguísticos de ponta.

Voltar ao Blog